Archive | março 2003

Paz?

“A Organização das Nações Unidas fracassou em agir. A ONU teve sua oportunidade de impor suas próprias resoluções — para ter um papel importante, efetivo, nos esforços de não proliferação, essenciais para a manutenção da paz. A ONU mostrou que não foi capaz de fazê-lo na forma do Conselho de Segurança.”
Ari Fleischer, porta-voz da Casa Branca

“Manutenção da paz.” E isso que eles querem fazer é manter a paz?

Anúncios

Chirac e Lula

Como eu postei num dos comentários abaixo, agora o Chirac chamou o Lula para interceder contra a guerra. Não é o mesmo que votar, mas já é mais do que simplesmente dizer “sou contra”.
Será que o Lula vai assumir isso?

Pergunta

O que será que essa mulher come, meu Deus? Será que ela é tão podre assim?

Notícia do dia

Resgate de celular que caiu na privada mata 3 no Quênia
Três homens morreram ao tentar recuperar um telefone celular que havia caído dentro de uma fossa sanitária na cidade de Mombassa, no Quênia.
O aparelho pertencia à estudante Dora Mwabela, que o deixou cair dentro da privada quando estava “atendendo a um chamado da natureza”, como informa o jornal Daily Nation.
Ela ofereceu uma recompensa de 1.000 xelins (o equivalente a R$ 45) para quem conseguisse recuperar o telefone, que custa algo como 6.000 (R$ 270).
A maioria dos quenianos vive com menos de US$ 1 (R$ 3,39) por dia.

Recém-casado
Quem tentou o resgate foi o técnico de rádio Patrick Luhakha, 30 anos, que quebrou o piso do banheiro e desceu à fossa sanitária com a ajuda de uma escada.
Pouco depois, não havia mais sinais de Luhakha, e um vizinho, Kevin Wambua, foi procurar seu amigo.
Mas Wambua escorregou e caiu dentro da pestilenta massa acumulada no interior da fossa sanitária, debatendo-se sem conseguir sair.
Então um terceiro homem, John Solo, tentou resgatar os dois, enquanto policiais apenas observavam o que estavam acontecendo, de acordo com relatos da imprensa.

Impedido à força
Solo perdeu os sentidos a meio caminho da fossa sanitária, para onde também estava descendo com a ajuda da escada.
Populares conseguriam resgatá-lo, mas ele morreu a caminho do hospital.
Um quarto homem queria tentar resgatar seus amigos Luhakha e Wambua, mas foi impedido pela polícia.
“Os gases dentro daquele lugar devem ser extremamente venenosos, se levarmos em consideração o quão rapidamente essas pessoas perderam os sentidos”, disse o chefe interino da polícia de Mombassa, Peter Njenga.
O telefone celular não foi encontrado.

Vacilo bélico

Tony Blair vacilou e vai pagar caro logo. Bush, não. Desse não se esperava muito mesmo. Aliás, esperava-se que fizesse muita merda, e ele não decepcionou ninguém.
Perguntar por que Inglaterra e EUA querem uma guerra é ingenuidade, e não é preciso ser analista político-econômico nem muito informado para saber o motivo. A questão, agora, é outra: será que eles sabem, de fato, qual será o ônus de uma guerra sem razão lógica? Ou melhor, sem razão humana, porque para a Casa Branca a lógica deles é correta.
Outra questão delicada e importante que surgiu com essa história toda: apoiar os EUA nessa empreitada é o mesmo que ficar do lado de um louco varrido apenas porque este tem uma arma de fogo – e dinheiro. Quem aderir aos ataques “aliados” ficará marcado para sempre. Futuramente, terá problemas diplomáticos com os países hoje contrários à guerra e, para a opinião pública, será um eterno ditador. Mas provavelmente ficará bem aos olhos dos donos do mundo, o que, para alguns, é o que importa realmente, afinal, quem tem dinheiro? Enfim, se correr o bicho pega, se ficar o bicho come.
Como disse o Boris Casoy agora há pouco no Jornal da Record, “tem momentos em que é muito bom não ter poder de voto no Conselho de Segurança da ONU”. Tomar uma posição neste caso polêmico vai comprometer as nações, seja lá qual for a decisão que tomem.
Por tudo isso, é muito mais provável que os líderes mundiais estejam partindo da questão “com quem eu perco menos?” para decidir se apoiam os EUA ou a ONU do que da pergunta “o que é mais correto e melhor para o mundo?”.
Triste, pra não dizer trágico. Como disse meu amigo Tiezzi hoje, o mundo anda um lugar muito perigoso. Eu diria também cada vez menos ingênuo e mais assustador.

Volta

Chegou a hora de voltar a falar em nome do meu próprio eu e parar de usar pseudônimos (ou nicknames, como preferir) para dizer o que penso e o que quero. Lógico que vou evitar falar sobre minha vida pessoal, porque não quero ficar alimentando idiotas curiosos pela vida íntima das pessoas, muitas menos pela minha. Se é o seu caso, companheiro, se deu mal. Vá procurar <a href=”http://www.psiquiatriabahia.hpg.com.br/&#8221; target=”blank”>outro lugar</a> pra isso. Depois, se melhorar, volte aqui.
O que você vai ver aqui é a minha opinião sobre uma grande variedade de assuntos (ou “uma pá de coisas”, como diria um primo), indicações de leitura, sites e – claro – blogs, filmes (se eu vir, se eu vir), programas, etc, etc, etc. As dicas nem sempre serão minhas, e suspeito que raramente sejam, porque eu mesmo ouço dicas de outras pessoas antes de decidir por algo.
Se curtir, bom. Se não, sem crise: tem um monte de blog por aí, é só procurar um que interesse a você.
E antes que eu me esqueça: agressivo é a senhora sua mãe. ;o)